Happy Birthday, Inês! | Bobby Pins

Hoje deixo-vos algo que nunca tinha experimentado fazer aqui no blog - entrevistar uma blogger que realmente admiro e costumo seguir. Quis mostrar-vos um bocadinho mais de quem é a Inês Mota, e do seu amor e dedicação pelo Bobby Pins. Ela faz anos hoje, dia 16, em que está a sair este post! Portanto podem sempre passar pelo cantinho dela para lhe desejar um bom aniversário! Espero que vocês gostem tanto de ler como eu gostei de poder fazer estas perguntas à Inês :) Vão ficar a saber de tudo já a seguir! 

R: Olá Inês! Antes de mais, deixa-me agradecer-te por teres aceite este pequeno desafio a que te propôs, e por estar aqui hoje no The eyes! Tenho a certeza que vais ser super bem recebida por cá. Primeira pergunta, porquê “Bobby Pins”? E o que te levou a criá-lo?

I: Rafaela, eu é que agradeço este convite! O Bobby Pins foi um blogue que criei porque já não me sentia motivada no meu antigo blogue. Foi uma página que comecei quando era mesmo muito novinha. Entretanto cresci e senti que o blogue não me acompanhou nesse crescimento, portanto, senti necessidade de começar do zero com um novo blogue. A razão do nome está explicada na minha primeira publicação de sempre no Bobby Pins. Tal como ganchos (bobby pins) eu estava constantemente a perder os textos que escrevia, por o fazer em milhões de lugares e plataformas. Textos especiais que eu não queria perder ou esquecer. E o Bobby Pins é isso; a minha caixinha para guardar textos especiais e nunca os perder.



R: O teu blog transparece muito a tua personalidade (e eu acho isso incrível). Tal como a tua rubrica do Isto é Tão Inês. Achas que ter o Bobby Pins fez com que te conhecesses um pouco melhor em alguns aspetos? E aprofundasses o teu conhecimento sobre alguns temas em geral?

I: Claro que sim! Eu acho que se um blogue não te apresenta um pouco de autoconhecimento, algo de errado se passa. Há muitos textos que escrevo que exigem de mim muitas reflexões e conclusões sobre mim própria ou sobre o contexto da situação e isso tem um efeito muito único no nosso amadurecimento. Eu descobri que não sou só observadora e capaz de retirar conclusões em relação aos outros mas também a mim própria.

R: O que é que a Inês do passado diria à Inês do presente?

I: Depende da idade mas, regra geral, eu diria para ela relaxar. As coisas vão acontecer e não vai perder nada. Vai viver tudo o que deseja, no tempo certo. E vai ser feliz assim. Poupava-lhe a desassossegos.



R: A tua família e amigos mais chegados conhecem o blog? Alguma vez tiveste alguma situação engraçada por lerem um post teu?

I: Sim, conhecem e vão acompanhando mas com alguma discrição. Respeitam muito o trabalho que faço e não dão grande alarido. O Bobby Pins não é conversa diária, muito pelo contrário, raramente é puxado ao assunto. Especialmente porque, para os meus amigos e familiares, aquilo que escrevo não é novidade; antes de eu publicar seja que texto for saibam que já discuti esse assunto pelo menos trinta vezes numa mesa de esplanada. Não há ideias, opiniões, sensações ou desabafos que eles não tenham sabido primeiro. Portanto, não há grande espaço para surpresas, comentários, desacatos ou excitações inusitadas. O que de mais “caricato” pode haver é a minha melhor amiga falar sempre com um grande sorriso sobre o meu blogue às outras pessoas, quando a conversa surge, ou ter alguns serões com a minha mãe a escolher as fotografias para publicar no BOM GARFO ou PASSAPORTE. “Eles vão gostar mais desta foto do que desta”, ou coisas assim. De resto, dão-me muito espaço para ser feliz neste projeto.

R: O que querias ser quando fosses grande?

I: Eu nunca tive muito esses desejos de pensar no que queria ser quando fosse grande. Eu sempre fui um bocado Peter Pan, então não me apetecia crescer e ter um trabalho de “crescidos”. Eu queria ser coisas fantasiosas como “Princesa-Bailarina”, “Veterinária de Dinossauros”… Os empregos convencionais não me diziam nada. A não ser atriz, tive uma fase que queria ser atriz. Temos todos.

R: No Bobby Pins existe uma variedade imensa de categorias e temas de que vais falando. Há algum post que tenhas realmente gostado de escrever em especial? Um favorito?

I: Acho que não tenho propriamente uma publicação preferida. Claro que existem alguns assuntos sobre os quais gosto mais de escrever do que outros porque as palavras fluem mais ao sabor do coração. Gosto muito de fazer publicações mais pessoais, sobre pessoas que gosto e de viagens. São aquelas em que podem ter toda a certeza de que a minha alma está lá completa.

R: O que achas mesmo indispensável em qualquer blog? Gostavas de mudar alguma coisa no teu?

I: Não tenho grandes regras para seguir um blogue. Só aprecio que tenha identidade. Não no sentido “Eu sou X, esta é a foto do meu rosto”, mas sim identidade nas publicações. Que eu leia e sinta a essência da pessoa. Acho que isso deve ser a maior razão de orgulho num blogger; ter publicações que tenham muito a sua impressão digital, que tenham um conteúdo bonito e positivo, sem ser robótico ou sensaborão. É um desafio.
De momento, não quero fazer grandes mudanças visuais no meu blogue. Quero voltar a ter vontade de escrever mais publicações pessoais. É um exercício ao qual não me estou a forçar porque sei que chegarei lá com o tempo. Sem pressas.

R: Pergunta p’ra mil pontos: Quem é a Inês?

I: Também eu me faço essa pergunta. Acho que seria mais justa esta questão ficar dirigida aos meus familiares e amigos. Acredito que diriam que sou uma pessoa que tem ideias e pensamentos que jamais ninguém pensaria, que sou muito cómica e divertida, que falo alto sem saber, que sou um bicho-carpinteiro, muito stressadinha, que faço birras de fome mas que também sou muito trabalhadora, descubro facilmente os tiques e hábitos dos outros, que consolo sem que precisem de pedir, que oiço muito as histórias dos outros, que sou uma chorona à mínima demonstração de amizade/amor, que tenho sempre uma piada na manga (boa ou má), que tenho expressões que mais ninguém tem, que faço por dividir as dores e as vitórias de quem gosto e que sou muito leal às pessoas que admiro.

R: Alguma mensagem que queiras deixar por aqui:

I: Agradecer mais uma vez o convite para esta entrevista e convidar-vos a todos a visitar o Bobby Pins e a sentirem-se em casa por lá!